quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

É a Grécia, estúpidos!

Quantos portugueses civis invadiriam as ruas das nossas cidades (todas as duas que temos) indignados com a morte de um jovem pelas forças policiais, como aconteceu ou tem acontecido estes dias na Grécia?

Aposto que a maioria dos portugueses seria capaz de livremente assinar petições contra os polícias, mas nunca assinaria petições a favor de uma movimentação pública ou levantamento popular contra os polícias ou o estado das coisas. Levantar o cu da cadeira para levar tau-tau da tautoridade? Hoje não, que dá o Benfica, pá!

3 comentários:

Povd disse...

Communists and bums Fight on

Margarida Pereira disse...

"Duas"?! Temos "duas"?! Tantas??? Olha...

Mas quanto à 'sublevação', ainda bem que não somos como (aqueles) gregos...
Lamentável e punível, o que sucedeu.
Mas 'a polícia' não pode continuar a ser olhada de soslaio.
Eles são muitíssimo necessários e há gente abnegada e extremamente profissional (como em todas as profissões, já cá faltava o cliché...).
Aquilo na Grécia é um disparate pegado. (como o foram os motins franceses)
É assustador.
Espero, mesmo, que 'a moda' não pegue!
Não é assim que se resolve coisa nenhuma.

... "duas" cidades?!
Bô!...

Gertrudes A. da Cunha disse...

Este tipo de motins e manifestações, incluíndo a greve geral de 10 de Dezembro, contra as políticas económicas do governo grego, não seriam possíveis neste país de brandos costumes, onde a maioria da população se compraz na doce e lânguida sodomia perpetrada pelos pederastas mafiosos no poder, público e privado.
Valha-nos Deus!
Pobres, mas honrados!