sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Lisboa: As Indecorações de Natal

Depois de um ano em que os paços e espaços da cidade serviram de montra à libertinagem criativa dos privados, seria natural que 2008 terminasse com a apoteose comercial que agora se vê em Lisboa.

Como se sabe, a autarquia este ano resolveu entregar a iluminação da cidade às "principais marcas de máquinas". No entanto, a exposição pública excede a minha previsão de há um mês, quando antevi Lisboa transformada em Las Vegas.

Não deixo de reconhecer que a inauguração da árvore de Natal da Zon, no topo do Parque Eduardo VII, serviu para "convencionalizar" a animação nocturna da zona (se eu disser que a intensidade da luz da árvore diminuiu a intenção dos actos lúbricos praticados nas sombras da vizinhaça, vocês percebem-me?).

De qualquer forma, parece-me obscena a forma abusiva como a TMN acampou as suas "tendas" publicitárias no Marquês de Pombal e na Praça do Comércio. A câmara pediu "iluminações de Natal", eles apresentaram "massificação comercial" em tons azul-bebé. A câmara pediu "elegância", eles confundiram com "ganância". São assim as indecorosas decorações de Natal na minha cidade.

2 comentários:

Margarida Pereira disse...

Lindo... (o texto).
O relatado é o que sucede na 'Imbicta' e por aí, so I am told...
Sinais dos tempos...

Frioleiras disse...

completamente de acordo!
reacções de espanto e indignação me envolveram quando, inopinadamente, dei de caras com aquele horror.............