terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Cão-de-água

É quando prevalece a obsessão de "publicar" sobre a simples pulsão de escrever que reconsidero a função, actualidade e pertinência dos meus actos - e da escrita em si.

Seria simples que a simples racionalização dos actos e da escrita fosse, em si, suficiente para domesticar a obsessão de publicar, pois isso seria acreditar que a escrita é um acto racional que podemos açaimar. Podemos, mas não deveríamos.

1 comentário:

Margarida Pereira disse...

Exemplo de explosiva nano-filosofia. Portentoso!